Qual é o papel do líder de sustentabilidade nas empresas?


Diante da ascensão da agenda ESG nas organizações e da maior pressão de investidores pela integração e “report” de práticas sociais, ambientais e de governança, qual é o papel que os líderes de sustentabilidade estão desempenhando? Foi com esta premissa que a consultoria Russell Reynolds fez um novo estudo, a partir da análise de 53 empresas de capital aberto dos setores de consumo, hotelaria e varejo.


Mais de 80% das empresas pesquisadas tinham um líder de sustentabilidade, o que é um aspecto positivo, avalia a consultoria. O outro lado desse mesmo dado, diz a consultoria, é que raramente esses líderes se reportam diretamente aos CEOs. “Em vez disso, os líderes de sustentabilidade muitas vezes usam vários chapéus e acumulam funções (marketing, assuntos corporativos, cadeira de fornecedores)”, aponta o estudo. O nível de integração dessa função com a estratégia geral da companhia é normalmente mínimo, diz a Russell Reynolds, e o cargo não possui conexões diretas com a liderança corporativa.


Com relação à formação ou experiência profissional, 24% dos líderes de sustentabilidade, entre as empresas da amostra avaliada, vêm da área de marketing, 18% da área de relações públicas, 13% do compliance, 11% da área de relações com investidores, 9% da área de vendas e 4% do RH. Quase 70% desses líderes ocupam a posição há menos de um ano e 62% foram recrutados internamente. “Esses dados sugerem que muitas companhias estão reagindo a problemas à medida que eles surgem e se movimentando mais para satisfazer preocupações de ordem de reputação e marca”, avalia a consultoria.


Esse é um cenário também visto entre empresas no Brasil, avalia Mariane Montana, sócia da Russell Reynolds e head da prática de ESG e Sustentabilidade. “As empresas no país acordaram para a questão [sustentabilidade na estratégia], mas ainda me parecem muito voltadas ao lado externo, no sentido de trabalhar a narrativa para contar, para fora, o que têm feito.” Ela diz que vê ainda um grande número de empresas pautadas pela “busca desse storytelling” ou com iniciativas de sustentabilidade pontuais. “Eu não vejo ainda tão claramente uma disponibilidade da liderança em repensar todo o negócio, e aí o executivo de sustentabilidade poderia atuar como esse integrador da estratégia”, diz Mariane.


Este é um dos perfis e escopo de atuação dos líderes de sustentabilidade que a consultoria mapeou e apresenta no estudo - e que vai depender de onde a organização está em seu ciclo de vida de sustentabilidade e onde pretende chegar.


Há o “integrador de estratégia”, capaz de gerenciar prioridades de curto prazo enquanto persegue uma visão de longo prazo para criar um negócio mais sustentável e de forma holística na organização; o “inovador em produto”, que articula o lançamento de novos produtos ou serviços em linha com as novas demandas de clientes ou com novas prioridades do negócio; há o “guru de operações”, que vai mapear como os processos produtivos podem se transformar para apoiar uma estratégia mais sustentável, e o “storyteller”, que vai reunir dados e criar uma narrativa para contar as iniciativas de sustentabilidade da organização, comunicá-las a todos os stakeholders e fortalecer marca e propósito da marca.


Mariane avalia que, no Brasil, há um movimento que começa a crescer: o de as empresas buscarem executivos de negócios para liderar a área de sustentabilidade, com perfil mais holístico e não apenas técnico. “Mas são poucos executivos que têm esse perfil. Um head de sustentabilidade, diante dos desafios que temos hoje, precisa também ter capacidade de influência em várias áreas, provocar o nível médio de gestão a revisitar processos e uma abordagem mais pragmática”. Mas sua atuação ficará limitada, mesmo que ele tenha as competências adequadas, caso o CEO não incorpore de forma genuína e sistêmica essa agenda, diz Mariane.


Fonte: https://valor.globo.com/carreira/noticia/2021/06/22/qual-e-o-papel-do-lider-de-sustentabilidade-nas-empresas.ghtml